in

Os jogos e esportes mais estranhos do mundo

A mente humana não cansa de nos surpreende. No quesito esporte, parece que a criatividade não tem limites. Unir diferentes esportes já consagrados pareceu uma boa ideia para um produtor belga. Ele inventou o Bossaball, uma mistura de futebol, vôlei e ginástica. Na modalidade, dois times disputam pontos em cima de colchões infláveis. Com regras parecidas com as do vôlei, os jogadores podem tocar a bola com qualquer parte do corpo e executar movimentos acrobáticos. Ah! Também têm uma cama elástica envolvida nessa doideira.

Falando em juntar esportes, conhece o boxe-xadrez? O jogo tem 11 rodadas, sendo 6 de xadrez e 5 de boxe. O competidor pode ganhar por nocaute ou xeque-mate. Outro esporte que parece inacreditável é o chamado ‘Passagem de roupa radical’. Nele, os participantes levam seus ferros e tábuas de passar a locais inusitados, como picos de montanhas ou passam roupa durante uma queda livre.

Você já deve ter ouvido falar da corrida do queijo, mas sabia que ela é considerada um esporte? Todos os anos um queijo de cerca de quatro quilos é jogado ladeira abaixo em uma cidade da Inglaterra. Centenas de competidores saem correndo atrás da peça, que chega a atingir velocidades superiores a 110 km/h. Ganha quem cruzar a linha de chegada primeiro, com ou sem queijo.

Advertisement

Nascido na Ásia, o Buzkashi é como o polo, mas no lugar da bola os competidores usam a carcaça de uma cabra, que deve ser arrastada para o centro do alvo. No Skyaking, o praticante pula de paraquedas em um caiaque e faz acrobacias no ar. Já no shin kicking, os concorrentes chutam as canelas um do outro até que um deles caia.

Para finalizar com chave de ouro, uma incrível competição com dedos do pé. Na Toe Wrestling, os esportistas fazem uma espécie de braço de ferro usando seus dedões. Uma maravilha.

Advertisement

Written by adminacesso@wp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As comidas mais fáceis de preparar

Conheça Mike, o frango que viveu 18 meses sem cabeça